Bom dia! - quinta, 21 de agosto de 2014
História
Monte Santo Coração Místico do Sertão Bahiano

Em outubro de 1775, o Capuchinho Frei Apolônio de Todd se encontrava na Aldeia Indígena de  Massacará (hoje situada no Município de Euclides da Cunha), foi convidado pelo Fazendeiro Francisco da Costa Torres, para realizar uma Missão na Fazenda Lagoa da Onça, ali chegando deparou com uma grande Seca e devido a escassez de água no local,  não realizou a Missão, decidiu seguir para o logradouro de gado denominado Piquaraçá, onde existia um "Olho d"água em abundância conhecido atualmente como "Fonte da Mangueira", localizado no sopé da serra. Frei Apolônio ao apreciar a serra ficou impressionado com a semelhança com o Monte Calvário de Jerusalém e convidou os fiéis que o acompanhava para transformar o Monte em um “Sacro-Monte”, marcando seu dorso com os passos da Paixão, Mandou tirar madeiras e armar uma capelinha para a Missão, ordenou que fizessem Cruzes para a Procissão rumo ao pico do monte;  A cada parada fincavam as cruzes com espaços regulares na seguinte ordem: A primeira dedicada às almas, as sete seguintes representado as dores de Nossa Senhora e as quatorze restantes lembrando o sofrimento de Jesus em sua caminhada para o Monte calvário em Jerusalém. Contam que quando os fiéis subiam ao monte um forte furacão surgiu e o Frei pediu que invocassem o Senhor Jesus e o furacão cessou, Adiante apareceu um forte Arco-íris que pairava onde estavam as cruzes de madeira, como se quisesse dizer que ali deveriam ser construídas as Capelas e parou onde deveria ser construída a Capela maior, a de  Santa Cruz. Isso era 31 de Outubro para 1º de novembro de 1775 e o frei pediu que aquele local não mais fosse chamado de Serra do Piquaraçá, assim chamado devido uma planta nativa, e em abundância "Araçá", mas que passassem a chamá-lo de Monte Santo, e partiu pedindo a todos que construíssem capelas e visitassem sempre as santas cruzes.  E assim os fies construíram as capelas, as  menores e a de  tamanho médio, a do Senhor dos Passos, a de Nossa Senhora das Dores e, sendo a maior no final do trajeto de aproximadamente 04km da sede, a capela de Santa Cruz onde ficam as Imagens de Nosso Senhor Morto, Nossa Senhora da Soledade  e São João Evangelista. Em 1790, devido a grande romaria e ainda o santuário não estava totalmente construído, o local foi elevado à Categoria de Freguesia por Decreto de Lisboa, recebendo o nome de Santíssimo Coração de Jesus de Nossa Senhora da Conceição de Monte Santo, sendo nomeado o seu primeiro pároco o Padre Antônio Pio de Carvalho.
Em 1794, foi criado o Distrito de Paz de Monte Santo, pertencente ao Termo da Vila de Itapicurú de Cima. Em 21 de março de 1837, por força da Lei provincial nº 51, foi o Povoado elevado à categoria de Vila, que criou também o Município, ocorrendo a inauguração em 15 de agosto do mesmo ano. O Município recebeu o nome de Coração de Jesus de Monte Santo, sendo seu primeiro prefeito o Padre José Vítor Barberino.
Em 28 de junho de 1850, o Distrito de Paz foi elevado à categoria de Comarca, pela Lei provincial nº 395, sendo seu primeiro Juiz de Direito o Bel. Boaventura Augusto Magalhães Taques. Em 25 de julho de 1929, a Vila foi elevada à Cidade, pela Lei Estadual nº 2.192, voltando a receber o nome de Monte Santo.
 A fama do Local sagrado percorreu todo o Sertão, todo o Brasil e até no exterior. Peregrinos de toda parte visitam o Santuário para pagarem promessas e pedirem graças. Subir o Monte é indispensável a todos que visitam Monte Santo, ladeira íngreme, construída de pedras, ladeada por balaustres, Ao longo do caminho, de quase 4km, encontram-se 23 capelas, sendo que suas alvenarias chamam atenção por representar os quadros da Via Sacra de Cristo. a 500 metros acima do nível do mar, A paisagem do alto do monte é belíssima. Dá para avistar toda a cidade, os vales e montanhas que circundam o município. À medida que o visitante vai subindo a serra, o clima vai ficando mais ameno e a brisa no rosto provoca uma sensação de bem-estar e prazer, envoltos pela áurea sagrada da localidade.

Peregrinos de todas as partes sobem a serra para pagar promessas, muitas vezes de joelhos e com pedras na cabeça, numa demonstração de fé e abnegação, São inúmeros os relatos das graças alcançadas pelos Romeiros que tendo sua Grande festa na Semana Santa de cada ano, mas recebe milhares de Romeiros na tradicional Festa de Todos os Santos em 31 de outubro para 1º de novembro, também de cada ano. Monte Santo, o seu município foi criado pela Lei de número 51 de 21 de março de 1837, data que tem seu feriado municipal, e, em 25 de julho de 1929, pela Lei estadual nº 2.192 houve a Emancipação.  Deste município já foram desmembrados os municípios de Cansanção, Euclides da Cunha  e Uauá; Atualmente possui uma área territorial de 3.285,41Km², Coordenadas geográficas: -39º19"58,80"" Longitude e -10º26"16,80"" Latitude; Localizado na Grande região Geográfica baiana (Nordeste), possuindo o Código no IBGE: 292100; Atualmente possui 56.938 habitantes.
Guerra de Canudos
Canudos na verdade era uma Fazenda de Gado que pertencia ao município de Monte Santo, e veio a ser conhecida com a decisão de Antonio Conselheiro de criar em Junho de 1893, uma comunidade católica, uma das primeiras providências do Conselheiro foi substituir o nome Canudos por Belo Monte. Em abril de 1897, Monte Santo Teve importância estratégica na Guerra de Canudos, servindo como base das operações do exercito contra Canudos, e foi escolhida por ser um local privilegiado, onde se podia avistar o horizonte pelo monte e por conter uma nascente de água para matar a sede dos soldados, foi utilizada durante a quarta e última expedição, sob o comando do general Artur Oscar de Andrade Guimarães, composta de duas colunas, comandadas pelos generais João da Silva Barbosa e Cláudio do Amaral Savaget, ambas com mais de quatro mil soldados equipados com as mais modernas armas da época. No decorrer da luta, o próprio ministro da Guerra, marechal Carlos Machado Bittencourt, seguiu para o sertão baiano e se instalou em Monte Santo.
Lampião
O trabalho de estava mais a cargo de Livino e de Virgolino, e consistia em transportar mercadorias de terceiros no lombo de uma tropa de burros de propriedade da família.Por duas vezes o até então Virgolino Ferreira e seus irmãos que trabalhavam no trasporte de mercadorias de terceiros e peles no lombo de uma tropa de burro, num serviço semelhante ao do frete rodoviário dos dias atuais, Virgolino veio até Monte Santo no sertão da Bahia, onde havia um depósito de peles de caprinos que eram, de tempos em tempos, enviadas pelo responsável, Salustiano de Andrade, para a Pedra de Delmiro, em Alagoas, para processamento e exportação para a Europa, Esse conhecimento precoce dos caminhos do sertão foi, sem dúvida, muito valioso para o cangaceiro Lampião, alguns anos mais tarde. Já como Lampião, ele passou por diversas vezes na cidade, e costumava se alojar próximo da Serra do Acaru, em umas de suas aparições encontrou-se com o padre Francisco César Berenguer, pároco de Monte Santo, o sacerdote, que se encontrou com Lampião em Euclides da Cunha, teve de contar com a ajuda de colegas para escapar da morte. O cangaceiro pediu que o padre lhe cedesse o Ford de sua propriedade para transportar o bando até a vizinha cidade de Tucano. Nas proximidades de Algodões, Berenguer simulou um problema mecânico no carro. Os oito cangaceiros acabaram passando para um caminhão de propriedade do também padre José Eutímio. Dias depois, Lampião ficou sabendo que o padre Berenguer estava se gabando de tê-lo ludibriado. Sem perda de tempo, fez chegar ao sacerdote a seguinte ameaça: “padre Berenguer, no dia em que a gente se encontrar, vou ensinar o senhor a enganar Lampião”. Graças à intervenção do também religioso Zacarias Matogrosso, o sacerdote escapou da vingança terrível do líder cangaceiro. Lampião temia, o Cel. Aristides Simões de Freitas, Influente chefe político, que mantinha uma resistência em itiúba bem armada e Lampião tinha receio de atacar o coronel nestas fronteiras. Um fato ocorreu na fazenda Desterro em Monte Santo, Quando o Cel. Simões, mandou um tal de José Ferreira Martins, Apelido de Zezinho do Licuri Torto, ferrar seu gado ali existente; 0 serviço seria feito com mais 4 vaqueiros de inteira confiança, Estavam reunidos, quando um deles gritou, "olhem lá, é Lampião!" Zezinho do Licuri ficou petrificado, os 4 fugiram covardemente. Lampião perguntou: "quem são os covardes que vão correndo?" Quis saber quem era eu, de quem era empregado, que estava fazendo, "Sou empregado do Coronel Aristides". Ele indagou: É homem rico?" É um homem desapertado, capitão". Lampião não pensou para dizer:"Admirei de sua coragem, cabra, Observo quem me olha sem tremer, Você está convidado para me acompanhar, se não quiser, não insisto". Em seguida, Cap. Virgulino retirou do bornal lápis e papel e redigiu Um bilhete ao Coronel em termos humilhantes, através do qual pedia:"Três contos de réis, pois não podia trabalhar, espero o Sr. não faltar, Pois nunca bati em suas fazendas nem feri pessoas, aguardo urgente, Capitão Virgulino Ferreira, vulgo Lampião, sem mais, neste momento".Entregou o bilhete a Zezinho dizendo, "na Maravilha, fico a esperar". A noite, quando Zezinho do Licuri entregou o bilhete ao Coronel, Toda a vila tomou conhecimento e começou uma debandada muito cruel; Simplesmente o Coronel Aristides, distribuiu armas e afirmou decidido: "Diga a Virgulino se ele quiser dinheiro, que venha buscar em pessoa..." Como o dinheiro não foi, Zezinho na estrada da Maravilha não foi atoa, Também nunca o Rei do Cangaço , a Itiúba voltou, após o fato acontecido.
Luiz Gonzaga

Luiz Gonzaga simbolizou o que de melhor se tem da música nordestina no brazil e no mundo o foi o Grande precursor do Forró, foi o primeiro músico a assumir a nordestinidade representada pela a sanfona e pelo chapéu de couro isso atraiu o até então na época prefeito de Monte Santo, Ariston Andrade que o contratou por duas vezes para realizar o São João da Cidade de Monte Santo, que era famoso na época por trazer boas atrações mais sempre conservando o autêntico forró pé de serra com os melhores sanfoneiros da região o que agradou Luiz Gonzaga, o apresso de Luiz foi tanto que dessa parceria se tornou uma grande amizade com o prefeito de Monte Santo, tanto que Luiz batizou o filho de Ariston "kaká" e em agradecimento ao reconhecimento do público Luiz deixou a sua sanfona que até hoje habita o Museu do Sertão em Monte Santo, Ariston por sua vez colaborou com um projeto pioneiro de Luiz de levar a sua música nordestina para o carnaval de Salvador, o prefeito que tinha um trio na época, forneceu a Luiz Gonzaga, Dominguinhos e ao conterrâneo Gereba, que levaram a as músicas do nordeste e o autêntico forró pé de serra em 1986 com o trio chamado "Carnaforró" que foi o primeiro trio elétrico a circular pela orla marítima, muito antes de se oficializar o circuito Barra-Ondina.
Gereba
Musico de grande versatilidade, Gereba, nasceu em Monte Santo, BA e realizou importantes projetos para a música brasileira como instrumentista, compositor, arranjador e produtor cultural. Seu primeiro disco solo é de 1973, "Gereba - Bendegó". Em 1976 lançou, junto ao grupo Bendegó, "Onde o olhar não mira". Com o mesmo grupo, lançou mais três discos: "Bendegó", de 1979, "Bendegó 2", de 1981 e "La Nave Vá", de 1986. Em 1985 lançou disco solo "Te Esperei". Vários outros discos vieram, entre eles, "Cantando com a platéia - Tom Zé e Gereba", de 1990; "Gereba convida" com Cássia Eller, Na Ozzetti, Vânia Bastos e outros, de 1993, "Serenata na Umes Gereba convida" coletânea de 6 cds gravados ao vivo com grandes interpretes de Silvio Caldas a Arrigo Barnabé, de 1997, "Canudos", (homenagem ao centenário de Canudos); de 1997 "Forró da baronesa", de 2000; "Canções que vêm do sol", de 2001 e "Sertão", de 2002 (homenagem ao centenário da obra de Euclydes da Cunha), no qual contou com a participação de Dominguinhos, Orquestra Sinfônica de Natal e Júlio Medaglia, como arranjador. Entre os projetos que participou, seja como mentor, instrumentista e/ou arranjador, cito o primeiro trio elétrico a rodar pela orla marítima de Salvador o "Carnaforró", introduzindo o forró no carnaval da Bahia com o genial Luiz Gonzaga e o seu mais fiel discípulo Dominguinhos, inaugurando o circuito Barra-Ondina. Grandes intérpretes gravaram suas composições: Elizeth Cardoso, Beth Carvalho, Fagner, Amelinha, Leon Gieco (Argentina), o guitarrista Folkan Crieg (Alemanha), entre outros. Fez arranjo para Caetano Veloso (Canto do Povo de um lugar-disco Jóia) e em mais de 40 discos: Moraes Moreira, Macalé, Oswaldinho etc, levou a Serenata para a Europa e o seu Projeto "Forró e Gol" para São Francisco, Califórnia. Seu vínculo com teatro vem de longe. Compôs, na década de 70, para a peça "Quincas Berro D' água", de Jorge Amado, em parceria com Patinhas, e mais recentemente, fez a direção musical e atuou no espetáculo "Sertão Sertões São", além da trilha para os espetáculos infantis "A Lenda do Quebra Nozes" e "Don Quixote".em cartaz em São Paulo. "Sertão Sertões São" e "A Lenda do Quebra Nozes" musicais premiados e escolhidos para representar o Brasil no Festival Internacional do Mercosul no Uruguai e Argentina em 2004. Em 2006, muita festa! Gereba comemora, junto ao baião, 60 anos e na mesma festa acontecerá o lançamento de seu CD, "Don Quixote Xote Xote" , que conta com parcerias de poetas consagrados como Abel Silva ( autor de Jura Secreta e Festa do Interior) e Capinan (Ponteio e Soy loco por ti América) além das participações especiais do ator e diretor Paulo Betti e das crianças do "Projeto Guri". O lançamento está previsto para 2007 pela gravadora "Pôr do Som".Com a bela trilha e as imagens do espetáculo em uma faixa multimídia. Esse disco nos remete à magia das aventuras dos personagens de Cervantes, que se deslocam de La Mancha na Espanha para um passeio musical pelo nosso sertão, passando pelo Raso da Catarina ou pelas dunas de Natal, banhando-se em nossa cultura brasileira.
Meteorito de Bendegó
O Meteorito de Bendegó, o maior e o mais famoso dos meteoritos encontrados no Brasil, encontra-se, atualmente, em exposição no Museu Nacional do Rio de Janeiro. As fotos a seguir, meteorito (em fibra de vidro), pedestal (em mármore) e uma coleção de fotos que ilustram os esforços de retirada do local de queda e transporte, representam cópias dos originais e compõem a exposição permanente "O Meteorito de Bendegó", no Museu Antares de Ciência e Tecnologia. O referido meteorito foi encontrado em 1874 por Joaquim Bernardino da Mota Botelho, no interior do Estado da Bahia. O ponto de queda está localizado a 48 quilômetros da cidade de Monte Santo e a 180 metros do riacho Bendegó, que daria nome ao meteorito. Tanto o riacho quanto o rio que ele deságua, o Vaza Barris, ficariam conhecidos no futuro. Menos pela queda do meteorito e mais pelos acontecimentos envolvendo Canudos, na resistência montada por Antônio Conselheiro e narrada por Euclides da Cunha no clássico "Os Sertões". O Meteorito Bendegó possui forma irregular, com os seguintes valores aproximados: 2,15 metros de comprimento, 1,5 metro de largura e 58 centímetros de altura. Sua massa foi calculada em 5360 kg, constituída basicamente de ferro (92,70%) e níquel (6,52%), contendo ainda traços menores de outros elementos químicos. Essa composição permite classificá-lo no grupo dos "sideritos", i.e., meteoritos com aproximadamente 90% de ferro e níquel. Na língua dos índios quiriris da Bahia, o vocábulo "bendegó" significa vindo do céu. Inúmeras contribuições científicas sobre meteoritos foram publicadas em livros e revistas especializadas. Em particular, selecionamos algumas destas que abordam, além das características gerais sobre os meteoritos, aspectos técnicos e históricos sobre o Meteorito de Bendegó. "Os Meteoritos e a História do Bendegó", Wilton Pinto de Carvalho, 1995, ISBN: 900144 "A História do Bendegó, a pedra que caiu do céu", Scientific American Brasil, Ano 1, Número 3, Agosto de 2002 "Pedras que caem do céu", Astronomy Brasil, Vol.1, Número 4, Agosto de 2006 "Os Segredos dos Meteoritos", Ciência Hoje, SBPC, Vol. 40, Maio de 2007 De maneira resumida, em 1888, por ordem do imperador Pedro II, o Meteorito de Bendegó foi transportado para o Rio de Janeiro, ao final de uma verdadeira epopéia que envolveu de parelhas de bois, trilhos de trem na Serra de Acaru (ainda no início da viagem) e navios, intercalada ainda por um acidente em 1785 que atirou o meteorito no leito de um riacho (Bendegó), o qual ficou abandonado por quase 103 anos. Durante esse período, o meteorito praticamente não se alterou pela oxidação até a chegada da missão encarregada do transporte para o Rio de Janeiro. Especialistas, dividiram com trabalhadores, o esforço para retirá-lo do riacho, conduzindo-o até o litoral de Salvador. Desta cidade, o meteorito seguiu para Recife, a bordo do vapor "Arlindo" e, de lá, foi levado para o Rio de Janeiro, onde chegou em 15 de Junho de 1888, i.e., 104 anos após o achado. Durante muito tempo, o Bendegó foi o maior meteorito em exposição em todo o mundo. O Marco Dom Pedro II - A comissão encarregada do transporte do meteorito para o Rio de Janeiro, construiu um marco de pedra, no exato ponto de sua queda, para registrar tão importante evento e inaugurar os trabalhos de sua remoção, no dia 7 de Setembro de 1887. Esse marco que se chamou D. Pedro II, tinha o formato de uma pirâmede e continha inscrições homenageando a Princesa D. Isabel, o Imperador D. Pedro II, o Ministro da Agricultura, Rodrigo Silva, o Visconde de Paranaguá e os membros da Comissão de Transporte do Bendegó. Infelizmente, esse marco comemorativo não durou muito tempo. Poucos anos após a remoção do meteorito (1888), sobreveio uma grande seca naquela região e o povo sofrido e supersticioso entendeu que aquilo era castigo do céu por terem permitido a retirada da "pedra". Um mutirão foi organizado e o marco foi destruído. Os sertanejos, após demolirem a "torre", nome que deram ao marco D. Pedro II, escavaram sua base à procura de outra "pedra", segundo eles, "irmã daquela que os doutores levaram". Acharam uma caixa de ferro, colocada pelos engenheiros da comissão, na qual continha um exemplar do termo de inauguração do trabalho de remoção, e um exemplar do Boletim da Sociedade Brasileira de Geografia, que publicava um memorial sobre o meteorito. A chegada do meteorito à estação ferroviária de Jacurici, após 126 dias de penosa marcha pela caatinga baiana, mereceu um outro marco comemorativo que se chamou Barão de Guahy, em uma justa homenagem ao homem que patrocinou a expedição. Esse marco assinala também o local do embraque do Bendegó, de trem, que após percorrer 363 km, chegou a Salvador em 22 de maio de 1888. Este foi pesado, verificando-se que o mesmo tinha, então, 5360kg. A comissão mandou lavrar um termo de sua inauguração, que foi colocado em suas fundações dentro de uma caixa de ferro. O meteorito ficou em exposição em Salvador durante 5 dias, e em 1º de Junho embarcou no vapor “Arlindo”, seguindo para Recife e, posteriormente, para o Rio de Janeiro, onde chegou no dia 15, sendo recebido pela Princesa Isabel e entregue ao Arsenal de Marinha da Corte. Nas oficinas do Arsenal de Marinha foram feitos os cortes indispensáveis para o estudo da “pedra”, bem como para a obtenção de materiais que foram doados e permutados com diversos museus do Brasil e do mundo. Confeccionou-se, também, uma réplica do meteorito em madeira, que o governo brasileiro fez figurar na Exposição Universal de 1889. Este modelo hoje se encontra no Museu de História Natural de Paris. Concluído o trabalho, o meteorito foi transportado a 27 de Novembro de 1888 para o Museu Nacional, nessa época situado no Campo de Sant’Anna. Como um último registro histórico, em sua passagem pelo Brasil nos anos 20, o físico alemão Albert Einstein visitou o Meteorito de Bendegó, ainda sobre o suporte orignal de cianita, no Museu Nacional do Rio de Janeiro.
Fontes: Wikipédia, Os Sertões, Google
    Galeria de Mídia:
Fotos Antigas:
Veja Também:
VIDRAÇARIA DAVI
ORG. LEO
PRAÇA SAÕ SEBASTIÃO MONTE SANTO-BA
Tel (75) 9127-7493
MONTE SANTO EVENTOS
Tel (75)9238-7790
Consórcio Nacional Honda
Arioston Moreira
Tel (75)91170015
Consórcio Nacional Honda
Dellano Moto Peças
O Seu Caminho Seguro
Rua Coronel Caldas S/n
Tel (75)32751731
Dellano Moto Peças
Elizeu Ass. Social
Tel
Elizeu Ass. Social
ONG EXIGE DEFENDE
Tel
INFOTECK COMPUTADORES
Manutenção em Equipamentos, automação comercial e suprimentos em geral.
PRAÇA PROFESSOR SALGADO, N°395 - CENTRO MONTE SANTO - BA
Tel (75) 3275-1065 / (75) 9116-9509
INFOTECK COMPUTADORES
Elizeu Vereador
www.elizeuvereador.com.br
Tel
Elizeu Vereador
CONNECT
PROVEDOR DE INTERNET
Tel (75) 3275-1065 / (75) 9116-9509
BAR DO EDMUNDO
MELHOR POINT DA CIDADE
RUA FERNANDES DE ALMEIDA ALTO DO SÃO FRANCISCO MONTE SANTO -BA
Tel (75) 9161-0938
DHIEGO MOURA AGÊNCIA DE VIAGENS
http://www.dhiegomoura.com.br/
Tel Tel.: (75)3274-1788 / (75)9173-0906
EDY CONFECÇÕES
A ONDE A MODA CHEGA PRIMEIRO
AVENIDA WALTER CALDAS N°250
Tel
SUPERMERCADO HIPER REAL
PRAÇA PROFESSOR SALGADO N° 66
Tel (75) 3275-1337
SUPERMERCADO HIPER REAL
CAIXA AQUI SANTO MONTE Fazendo a conta mais simples para tornar seu sonho realidade.
Faça o seu CONSIGNADO com a menor taxa de todos os BANCOS. Pesquise e comprove!!! Taxas à partir de
PRAÇA PROFESSOR SALGADO AO LADO DO TERRAÇO
Tel 75 9231-4692 - 75 9841-6574.
OLIVEIRA PEÇAS E ACESSÓRIOS
ATENDER BEM E VENDER BARATO
AVENIDA WALTER CALDAS
Tel (75) 3275-1003/ (75) 9191-0018
MERCADINHO DA LU
Avenida Luís Eduardo Magalhães S/N
Tel (75) 9151-7628 / 9917-4801